#divBusca{     background-color:#2F4F4F;     border:solid 1px;     border-radius:15px;     width:300px; } .wtrBlogDfPostOther { display: none; important! margin-top: 22px; } .wtrShtLastNewsStandard .wtrShtLastNewsStandardOther { display: none; }
12
02
2018

Fome Emocional

Quando temos como objectivo alcançar um estilo de vida saudável, independentemente de ser, ou não, para reduzir o peso, confrontamo-nos com algumas dificuldades.

“O que é efectivamente fome? O meu corpo está a pedir um doce! Eu gostava muito de reduzir o peso mas sinto muita fome.”

 

A fome define-se como a sensação provocada pela necessidade de ingerir alimentos. Essa necessidade pode ser de origem fisiológica ou emocional.

Para conseguirmos distinguir estes dois tipos de fome basta compreendermos que a fome fisiológica não é repentina, é algo que organismo consegue tolerar durante pelo menos 4 horas, até que comecem a surgir dores de estômago, dores de cabeça, tonturas ou quaisquer outros sintomas associados à falta de alimento. Pelo contrário, a fome emocional desperta em nós uma necessidade urgente de comer, apesar da nossa última refeição ter sido há menos de 3 horas.

 

Fome emocional:

 

  • Fome provocada por, ou consequência, de uma âncora emocional;

 

  • Reflexo condicionado (Estímulo → Resposta);

 

  • Desejo pela comida, independentemente de ser por doces, salgados ou alimentos saudáveis;

 

  • Sensação de que nunca estamos saciados;

 

  • Súbita, fome voraz;

 

  • Parte de um desejo emocional e não de uma necessidade;

 

  • Urgente alimentar-se para atenuar a carência emocional.

 

 

Fome física:

 

  • Sensação de “estômago vazio”, barulho do estômago;

 

  • Fraqueza física ou dor de cabeça;

 

  • Corpo manifesta a necessidade de alimentar-se assim que possível.

 

 

                Como evitar episódios de compulsão alimentar?

 

Quando sentir fome, questione-se se é fome física ou fome emocional;

 

Faça um inventário das situações que normalmente despoletam a fome emocional

(quando normalmente acontecem, o que estava a fazer, quem estava envolvido, o que comeu, etc.);

 

Encontre estratégias compensatórias que não passem pela comida;

 

Opte por refeições saudáveis;

 

Faça pequenas refeições ao longo do dia;

 

Pratique atividade física;

 

Procure a ajuda de um profissional credenciado.

 

 

Carina Pereira
Nutricionista  – Cédula Profissional nº 2866N

 

Departamento de Nutrição Aquafitness 
E-mail: nutricao2.marisol@aquafitness.pt

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE