#divBusca{     background-color:#2F4F4F;     border:solid 1px;     border-radius:15px;     width:300px; } .wtrBlogDfPostOther { display: none; important! margin-top: 22px; } .wtrShtLastNewsStandard .wtrShtLastNewsStandardOther { display: none; }
30
01
2018

Açúcar – 2ªparte

Como vimos no artigo anterior (http://aquafitness.pt/acucar-1aparte/), a população portuguesa já começa a estar mais alerta e sensibilizada para os riscos existentes do consumo excessivo de açúcares. Contudo, será que sabem realmente quais as doenças crónicas e patologias que estão associadas ao seu consumo?  Vou tentar esclarecer-vos.

 

O consumo elevado de açúcares simples está associado à prevalência de diabetes mellitus tipo 2, insulinorresistência, hiperuricemia, esteatose hepática, doenças cardiovasculares pelo aumento da pressão arterial e pela diminuição do HDL (bom colesterol) e ainda à cárie dentária1.

 

Medidas que devemos implementar para reduzir a quantidade de açúcar nas nossas casas

 

– Retirar o açúcar que colocamos no café ou no chá, ou pelo menos, tentar reduzir.

– Não ter em casa chocolates, rebuçados, gomas, bolos, bolachas e alimentos que tenham na sua composição um elevado teor de açúcares.

– Analisar corretamente os rótulos alimentares, verificando a quantidade de açúcares e a lista de ingredientes. Evite a ingestão de alimentos que tenham na sua constituição: açúcar (acima de 5g, preferencialmente) , xaropes, -oses e corantes.

– No caso das crianças, habitue-as a ingerir os produtos da forma mais natural possível. Opte pela utilização de iogurtes naturais, pão da padaria (não pão de forma embalado), leite ao natural (não leite com chocolate), bolachas maria torrada ou de água e sal (não com chocolate), cereais de pequeno-almoço com pouco açúcar (não chocolate em forma de cereal) e água (não refrigerantes). Lembre-se das propriedades viciantes do açúcar!

– Utilizar substitutos, como o mel, xarope de ácer, açúcar mascavado, açúcar de coco, canela e stévia. Tal como o açúcar, todos estes substitutos devem ser utilizados de forma moderada. Não é por serem “menos maus” que podem ser ingeridos desenfreadamente. O meu conselho costuma ser sempre: “reduza sempre o máximo que conseguir até ser totalmente suportável não utilizar”. Claro que na confeção dos bolos nem sempre é possível, mas não custa tentar!

– Não me canso de insistir nesta situação: bebam água e evitem a utilização dos refrigerantes. Não trazem qualquer tipo de benefício nutricional, a única coisa que têm é uma quantidade absurda de açúcares (mesmo com a taxa aplicada para a sua redução).

Para concluir, o mais importante a reter relativamente a este assunto, prende-se muito com a moderação e com a responsabilidade que deveremos ter com aquilo que ingerimos. Não se esqueça, “somos aquilo que comemos”!

 

Informação Nutricional de alguns alimentos 

Bibliografia:

  1. Graça, P., Gregório, M. J., Santos, A., & Mendes de Sousa, S. (2016). Redução do consumo de açúcar em portugal: evidência que justifica ação. Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. http://doi.org/http://nutrimento.pt/activeapp/wp-content/uploads/2016/09/Reducao-do-Consumo-de-acucar-em-Portugal.-pdf.pdf

 

 

Daniela Toscano

Nutricionista Estagiária – Cédula Profissional nº 2104NE

Departamento de Nutrição Aquafitness – Qta. do Texugo

nutricao3.texugo@aquafitness.pt